protecao veicular

Quando trocar o óleo?

Não é difícil encontrar pessoas que já rodaram de 30 a 40 mil quilômetros sem nunca trocar o lubrificante. Sem contar os milhares de motoristas que mal sabem que existe lubrificante no carro.
O carro é cheio de peças que juntas precisam ser lubrificadas para manter o bom funcionamento e evitar o desgaste. O grande desafio é a troca rápida de temperatura do motor. O óleo precisa manter as características de lubrificante independente do calor ou do frio.

Justamente por isso não colocamos óleo de cozinha ou vaselina no veículo.

O lubrificante, com o passar do tempo, perde a viscosidade, fator que garante que ele revista bem as peças do motor. Motor sem lubrificante ou viscosidade baixa significa maior atrito entre as peças, prejudicando a vida útil e desempenho do motor e aumentando o consumo de combustível.

Medindo o nível do óleo corretamente.

O procedimento é simples: retire a vareta do motor e limpe a ponta dela, certificando-se de que não ficou nenhum pedaço de pano ou qualquer outro resíduo na vareta. Coloque-a de volta e retire novamente. Observe os dois marcadores na ponta do medidor que indicam o máximo e o mínimo. Se o nível está entre as duas barrinhas, não há necessidade de completar.

Importante: espere pelo menos 5 minutos com o motor desligado antes de medir. Isso é o tempo de escorrer o óleo das partes mais altas do motor até a base do carter. Se você checar antes disso, provavelmente o nível dele vai estar um pouco abaixo do real.

Por isso o frentista picareta pede para verificar o óleo assim que você desliga o carro.

Ok, o nível está realmente abaixo do mínimo. E agora? Completo? Troco? Vai fundir meu motor?

Antes de tudo: descubra quantos quilômetros ainda faltam para fazer a troca completa. É pra isso que colamos aquela etiquetinha no pára-brisa.

O recomendado é sempre fazer a troca completa. No entanto, em carros com maior quilometragem é comum baixar o nível do óleo. Geralmente, 1 litro com 1mil quilômetros rodados. Isso, claro, é especificado no manual do proprietário. Se você fez a troca há pouco tempo e o nível do seu óleo baixou muito, você pode completar. Mas tenha muita atenção nessa hora.

Há dois fatores fundamentais que você precisa saber sobre o óleo que já está no motor do seu carro antes de colocar qualquer produto.

Base: Mineral, Semi-Sintético e Sintético.

Viscosidade: 30, 40 e 50 para os monoviscosos ou 15w40, 5w40, etc para os multiviscosos.

Você não precisa saber o que significa cada um desses itens e números. Apenas garanta que o lubrificante que você está colocando no carro possui a mesma base e viscosidade do que já está no motor.

Não tem idéia de qual lubrificante vai no motor? Olhe no manual. Ao contrário de manual de celular e notebook, ter o manual do seu carro a disposição é essencial. Se você perdeu seu manual e precisa desesperadamente trocar o óleo do seu carro, minha recomendação: vá até um posto de troca especializado. Locais assim sempre tem uma lista com todas as marcas e modelos de carros existentes indicando qual o lubrificante ideal para o seu carro.

Misturar óleos diferentes pode causar problemas sérios. O frentista picareta provavelmente vai querer te empurrar o produto que ele tem em estoque. Se seu óleo estiver baixo e aquele posto não tiver um de mesma base e viscosidade, não tenha medo das profecias apocalípticas do frentista. Seu motor não vai fundir se você rodar mais alguns quilômetros. É mais importante colocar o produto correto no seu carro.

Dica: Quando fizer a troca de óleo, guarde a embalagem ou rótulo do produto no seu carro. Assim você não corre o risco de esquecer o lubrificante que está usando.

Troca de óleo

Cada base de lubrificante tem uma qualidade diferente e, por consequência, preços e tempo de troca diferentes. Isso varia para cada fabricante de carro e de quantos quilômetros rodados possui o seu veículo. O mais comum:

Base Mineral: 5mil km

Base Semi-Sintética: 10mil km

Base Sintética: 20 mil km

Como eu disse anteriormente, o manual do seu veículo deve recomendar um tipo de óleo específico para o carro. Isso não significa que você não pode tentar outros tipos de base, desde que você faça a troca completa e preferencialmente troque também o filtro.

Se o seu carro é esportivo ou tem um motor de alta performance, o mais recomendado é que você utilize um óleo sintético que mantém a viscosidade constante independente da temperatura. Isso garante a lubrificação correta das peças.

Fique atento também se há necessidade de trocar o filtro – também consta no manual (não falei que era importante?). O normal é fazer a troca do filtro a cada duas trocas de lubrificante. No entanto, alguns fabricantes recomendam trocar o filtro e o lubrificante ao mesmo tempo para evitar mistura do novo com o residual que sobrou.

Quando fizer a troca, compre 1 ou 2 litros a mais e guarde dentro do carro. Assim você não corre o risco de não encontrar o lubrificante correto pro seu carro e completa sempre que precisar. Deixe a embalagem sempre bem tampada pra evitar que entrem resíduos.

FONTE: PAPO DE HOMEM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *